Piso impulsiona emprego

A criação do piso salarial no Paraná provocou uma grande geração de empregos, sustenta o deputado Waldyr Pugliesi, presidente estadual e líder do PMDB na Assembléia Legislativa. Pugliesi embasou sua tese com base nos dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged). Em 2009, o Paraná registrou mais de 2,2 milhões de trabalhadores com carteira assinada. “Este volume representou crescimento superior a 6%, ou 3,2 pontos percentuais acima da média nacional, que foi de 3,1%”.
“Ficamos com o melhor índice de geração de empregos do Sul do Brasil e a frente de estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais”, destacou o deputado, que citou ainda dados do Dieese: “O impacto do aumento do salário na economia do nosso estado, segundo o órgão, será da ordem de R$ 150 milhões ao mês.”

Mínimo de R$ 765
O piso regional paranaense terá aumentos variando entre 9,5% e 21,5% – a menor faixa passará a ser de R$ 663 e o maior valor das quatro faixas salariais, de R$ 765. O piso mínimo beneficia 350 mil trabalhadores que não contam com o amparo das convenções coletivas ou de sindicatos.

Lobby da renúncia
A Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social (Anasps) ratifica que a principal causa do descompasso entre receitas e gastos da Previdência Social está na fragilidade dos mecanismos de financiamento do setor, minado por incontáveis e intermináveis anistias. A entidade destaca que, sob forte pressão do Legislativo e do Judiciário, medidas nesse sentido têm beneficiado devedores regulares e caloteiros: “Começou com a redução do prazo de validade da dívida de dez para cinco anos e não parou mais. As últimas decisões do Legislativo estenderam o prazo de pagamento dos devedores públicos estaduais e municipais para 20 anos, que é para não pagar. Já se criaram seis Refis, à custa, inclusive, da Previdência”, critica a Anasps.

Sangria
A entidade acrescenta que as renúncias contributivas compulsórias, aquelas sem contrapartidas efetivas, devem alcançar R$ 18,9 bilhões este ano, saltando para R$ 20,8 bilhões em 2011 e para R$ 22,9 bilhões em 2012. Ainda segundo a Anasps, as renúncias provocadas pelo Simples Nacional devem chegar a R$ 9,5 bilhões apenas este ano; a das entidades filantrópicas, R$ 5,9 bilhões; e a das exportações rurais, R$ 3,4 bilhões: “Renúncias e subsídios, como aconteceu com os autônomos e com os microempresários, além das categorias contempladas com benefícios sem contribuição, afetarão o equilíbrio da Previdência”, alerta o presidente da Anasps, Paulo César Regis de Souza.

Para fechar a conta
As renúncias fiscais listadas pela Anasps alcançarão inacreditáveis R$ 37,3 bilhões apenas este ano. A título de comparação, o Ministério da Previdência prevê que a Previdência tenha “déficit” de R$ 50 bilhões em 2010. A projeção do ministério, porém, desconsidera as contribuições sociais criadas pela Constituição para financiar a Seguridade Social e que são desviadas para pagamento de juros. Ainda assim, as renúncias representam 74,6% desse total.

Dois últimos dias
Todas as pessoas cadastradas no Programa Empreendedor Individual têm até quarta-feira para entregarem a Declaração Anual Simplificada do Microempreendedor Individual. Quem faz o alerta é o Sescon-RJ, sindicato que reúne as empresas de serviços contábeis.

Ponto final
Essa coluna esqueceu de comentar que a indenização de R$ 105 mil que a justiça paulista determinou que a Telefônica pague a uma consumidora é definitiva, ou seja, não cabe mais recurso, porque a empresa perdeu o prazo e a decisão transitou em julgado. “Vamos começar a executar”, declara o advogado Renato Menezello.

Chora, neolibral
Com todos os defeitos – e não são poucos – o PAC é um colírio para um país preso ao neoliberalismo há 20 anos. Por isso, tantas críticas e matérias investigativas de uma mídia acostumada a engolir sem questionar os factóides de interesse dos rentistas.

Artigo anteriorAgradável
Próximo artigoQuestão de coerência
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Quem ganha com desempenho do PIB brasileiro

Setores beneficiados pelo dólar crescem, enquanto desemprego bate recorde.

Alta recorde de commodities vai continuar por quanto tempo?

Diante de juros baixos, especulação vai para ativos reais.

Projeto de AMLO não atrai classe média mexicana

Presidente consegue vitórias nas eleições, mas perde voto urbano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Anvisa, vacinas e mortes

Por Pedro Augusto Pinho.

Só 2% de 1,3 bi de pessoas receberam dose da vacina na África

Continente precisa de 225 milhões de doses para cumprir meta até setembro.

Unctad: Após covid planeta deve ter recuperação mais verde e inclusivo

Fórum promove o diálogo sobre como o comércio pode contribuir para um mundo mais próspero, inclusivo e sustentável, que beneficie as pessoas.

Ethimos abre 34 vagas de emprego no estado de SP

Oportunidades são para a capital e oito cidades do interior.