Número de executivos fumantes cai mais de 30% em um ano

No Rio de Janeiro, o número de executivos fumantes diminuiu. Segundo levantamento de dados dos checkups anuais do Centro de Medicina Nuclear da Guanabara (CMNG), o índice de fumantes caiu de 8,8% (mulheres) e 7,6% (homens) em 2014 para 6,3% e 5,7% em 2015, respectivamente. A diminuição pode estar relacionada, de acordo com Eduardo Duarte, coordenador de checkup do CMNG, não só às políticas públicas: “Na última pesquisa do tipo no Brasil, realizada em 2014, 10,8% dos brasileiros declararam consumir cigarros de tabaco. Quando comparamos esse índice geral com o de executivos cariocas fumantes, vimos que existe uma diferença significativa, que provavelmente resulta do reflexo de campanhas de saúde e programas de qualidade de vida das empresas”, avalia o clínico geral. O percentual de brasileiros que fumam caiu 30,7% em nove anos. Em 2006, 15,6% dos brasileiros declarava consumir derivados do tabaco.

Diferentemente do que ocorre entre executivos, no Brasil o tabagismo é maior entre os homens (12,8%) do que entre as mulheres (9%). A faixa etária de maior consumo é entre 45 e 54 anos (13,2%) e a menor, entre os 18 e 24 anos (7,8%). Entre os principais motivos para a queda do consumo do tabaco no país desde 2006 está o aumento do preço dos cigarros. Segundo a Pesquisa ICT/INCA 2013, 62% dos fumantes pensou em parar de fumar devido ao valor do produto.

Nesta segunda-feira, comemora-se o Dia Nacional de Combate ao Fumo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano cerca de 5 milhões de pessoas morrem por fatores atribuídos ao tabaco. A estimativa é que em duas décadas o número aumente para 8 milhões, com 80% dos óbitos em países com menor renda. A OMS alerta: “O tabaco mata mais que tuberculose, AIDS e malária juntas”. O tabagismo é principal causa de mortes evitáveis e importante fator de risco para o desenvolvimento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) – como câncer, doenças pulmonares e cardiovasculares.

O patrocínio de campanhas de saúde voltadas para o tabagismo tem se tornado parte das políticas de várias empresas. Para Paulo Sardinha, presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Rio de Janeiro (ABRH-RJ), o benefício extra vira investimento a longo prazo: “A criação de campanhas corporativas específicas para a recuperação do vício relacionado ao tabaco tem se mostrado eficiente na redução do absenteísmo nas empresas, na melhora da qualidade de vida dos colaboradores e no aumento da produtividade, o que gera um retorno muito mais significativo para as corporações.”

Na carona dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes (INCA) lançou, em atenção ao Dia de Combate ao Fumo, a campanha “#MostreAtitude: sem o cigarro sua vida ganha mais saúde”, com eventos no Rio de Janeiro, Pernambuco e Santa Catarina. A ideia é valorizar o esporte enquanto ferramenta de prevenção e desestímulo do consumo de produtos do tabaco.

Interesse estratégico

A alta produtividade dos poços da camada do pré-sal é vista como fator decisivo para manutenção da atratividade da área num cenário de baixos preços do barril de petróleo. Esta é a opinião do presidente da Pré-Sal Petróleo S/A (PPSA), Oswaldo Pedrosa, em entrevista ao site Petronotícias.

A pergunta que fica é: atratividade para quem? Pedrosa segue dizendo que “o pré-sal tem grandes desafios” e que “a inovação e transferência tecnológica através da colaboração entre as empresas é fundamental para a superação desses desafios”.

Como a empresa que domina 95% do conhecimento da área é a Petrobras, qual objetivo de dividir essa tecnologia com os outros? Entregar a exploração do pré-sal aos estrangeiros?

Imagem

O ministro Ricardo Lewandowski fazendo lobby com os senadores para aprovação de aumento para os ministros do STF, durante a semana em que preside o julgamento do impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado, é o retrato de como anda nossa justiça.

Legisladores

Do ministro Teori Zavascki, no julgamento da lei eleitoral: “Não vejo como tentar melhorar essa lei. E não vejo que a lei seja incompatível com a Constituição. Pior do que julgar lei inconstitucional ou não é nos arvorarmos no papel de legislador positivo.”

Rápidas

O sócio do escritório Kasznar Leonardos, Fabiano Rocha, participa do painel que discutirá os impactos da impressão 3D na propriedade intelectual durante o Congresso da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI), nesta terça-feira, em São Paulo. Segundo o especialista, os atributos que tornam a tecnologia desejável também são atraentes para infrações *** A abertura oficial da Convenção Secovi 2016 será nesta segunda-feira. Mais informações: www.convencaosecovi.com.br *** Leonardo Palhares é o novo presidente da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. A entidade planeja atingir R$ 180 bilhões em movimentação no setor até 2020.

Artigo anteriorÚltimo ato
Próximo artigoÚltimo ato
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Quem ganha com desempenho do PIB brasileiro

Setores beneficiados pelo dólar crescem, enquanto desemprego bate recorde.

Alta recorde de commodities vai continuar por quanto tempo?

Diante de juros baixos, especulação vai para ativos reais.

Projeto de AMLO não atrai classe média mexicana

Presidente consegue vitórias nas eleições, mas perde voto urbano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Anvisa, vacinas e mortes

Por Pedro Augusto Pinho.

Só 2% de 1,3 bi de pessoas receberam dose da vacina na África

Continente precisa de 225 milhões de doses para cumprir meta até setembro.

Unctad: Após covid planeta deve ter recuperação mais verde e inclusivo

Fórum promove o diálogo sobre como o comércio pode contribuir para um mundo mais próspero, inclusivo e sustentável, que beneficie as pessoas.

Ethimos abre 34 vagas de emprego no estado de SP

Oportunidades são para a capital e oito cidades do interior.