Insaciáveis

Última forma de os governos manterem algum tipo de controle sobre empresas privadas, a ação de ouro (golden share na língua da matriz) está sendo bombardeada pela União Européia (UE), que, através da Comissão Européia, ameaça abrir processo contra o Governo da Espanha. A UE acusa o governo espanhol de usar a acción de oro (golden com sotaque local) nas empresas privatizadas para dificultar a livre ação do mercado. A comissão parece particularmente incomodada com o anúncio do Governo da Espanha de que vetará a fusão entre a Telefónica de España e a holandesa KPN, que originaria um forte monopólio do setor de telecomunicações.
O presidente do Governo da Espanha,  o conservador José María Aznar, reagiu cobrando da UE a garantia de condições que permitam a competição em todos os países da união, em vez de “perseguir estados membros”.
Ilusões
A ação da comissão contra a Espanha não é um ato isolado. Ela visa a balizar o uso da ação de ouro, vigente, como frisou Aznar, em quase a metade dos países da comunidade européia, incluindo Itália e França.
A investida contra o governo espanhol também tem efeito didático, servindo para desfazer ilusões tupininquins sobre a suposta democratização que seria trazida pelas privatizações, que ainda permitiria vantagens adicionais como a de permitir que os governo continuassem a influir nos destinos da ex-estatais e usufruissem de seus benefícios. Embora já fosse, no mínimo, estranho convencer alguém com direito a 100% de uma empresa lucrativa a se conformar com percentuais bem inferiores, pelo visto, nem isso a ação livre do mercado quer permitir.

Carestia
Numa inusitada demonstração de oferta e procura católica, mandar rezar uma missa de Sétimo Dia na Igreja do Carmo, Centro do Rio, custa R$ 90. A poucos minutos de barca dali, na Catedral de São João, Centro de Niterói, o mesmo ato religioso sai por R$ 7,20.

Univitelinos
A eleição de Vicente Fox, do Partido da Ação Nacional (PAN), para a presidência do México é uma daquelas vitórias em que o eleitorado compra lebre e recebe gato. A exemplo de Fernando De la Rúa na Argentina, Fox galvanizou o sentimento de mudança do eleitorado contra as políticas neoliberais do PRI no poder para, sob nova roupagem, dar continuidade e, em não raros casos, aprofundá-las. O objetivo é controlar a troca de guarda nos palácios para que, no essencial, nada mude, além de permitir uma oxigenação que minimize o inevitável desgaste trazido pelos que aplicam o receituário do FMI. Em outras palavras, a utopia é institucionalizar o atual modelo econômico e sinalizar para o mercado eleitoral que não existiriam alternativas ao neoliberalismo.
Xerox
A pequena mostra dos seis meses de De la Rúa na Argentina e o que vem por aí com Fox também deve servir de advertência contra as ilusões neoliberais de setores da oposição brasileira, que sonham em uma aliança com Ciro Gomes, o Fox/la Rúa local.

Barbada
Não deu nem para saída. Quem apostou no mercado futuro que o ex-senador Luiz Estevão deixaria a cadeia antes de Salvatore Cacciola não esperou nem 24 horas para ver realizado seu prognóstico.

Às ordens
O acordo militar entre Brasil e Estados Unidos, denunciando no Governo Geisel, está sendo reativado. Em 2 de junho passado, o Brasil se tornou o 87º a país a firmar o protocolo 505, pelo qual os EUA se comprometem a doar material bélico sucateado. Em contrapartida, passam a ter direito a inspeções regulares aos quartéis do país. Por pressões de militares brasileiros, as inspeções serão feitas em datas pré-agendadas com as forças armadas brasileiras. Para o acordo entrar em vigor, depende apenas da aprovação do Congresso Nacional, o que, pelos antecedentes das relações do Legislativo com o Executivo, significa mera formalidade.

Artigo anterior$eletivo
Próximo artigoParaíso
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Quem ganha com desempenho do PIB brasileiro

Setores beneficiados pelo dólar crescem, enquanto desemprego bate recorde.

Alta recorde de commodities vai continuar por quanto tempo?

Diante de juros baixos, especulação vai para ativos reais.

Projeto de AMLO não atrai classe média mexicana

Presidente consegue vitórias nas eleições, mas perde voto urbano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Anvisa, vacinas e mortes

Por Pedro Augusto Pinho.

Só 2% de 1,3 bi de pessoas receberam dose da vacina na África

Continente precisa de 225 milhões de doses para cumprir meta até setembro.

Unctad: Após covid planeta deve ter recuperação mais verde e inclusivo

Fórum promove o diálogo sobre como o comércio pode contribuir para um mundo mais próspero, inclusivo e sustentável, que beneficie as pessoas.

Ethimos abre 34 vagas de emprego no estado de SP

Oportunidades são para a capital e oito cidades do interior.